A relação entre a alimentação, microbiota e candidíase de repetição

A candidíase é uma infecção causada por um fungo do gênero Candida, e é muito comum e de alta prevalência. Esse fungo está presente na microbiota da pele e mucosas, vagina e até no trato gastrointestinal. Por conta disso, quando existe uma disbiose na microbiota intestinal, esse fungo pode se tornar patogênico.



Sabe-se que a microbiota intestinal tem grande potencial de impactar a saúde vaginal feminina e o sistema imunológico. Isso porque primeiramente, o consumo excessivo de carboidratos simples, açúcar refinado e até mesmo frutose, pode ser um gatilho, não para causar, mas sim, para contribuir para o desenvolvimento da Candidíase, já que a glicose é a principal fonte de alimento desse fungo, assim favorecendo seu crescimento. Por isso, pode-se dizer que se existe uma disbiose da microbiota intestinal, ocorre consequentemente o aumento à susceptibilidade a candidíase.


E, além disso, o fungo pode se alocar na região vaginal e permanecer lá como colonizador, até que existam condições favoráveis para o desenvolvimento da doença, condições essas que podem ser, a diminuição da imunidade e diminuição do pH vaginal.


Estudos recentes mostram que o uso de probióticos como tratamento para a candidíase de repetição tem se tornado uma boa alternativa. Isso porque as bactérias probióticas, como o Lactobacillus acidophilus, saccharomyces boulardii, Lactobacillus rhamnosus, são capazes de realizar a manutenção, reequilibrar a microbiota intestinal e melhorar a disbiose, combatendo assim infecções oportunistas, como a Candida.


Além disso, sabe-se que o processo inflamatório é essencial para fazer com que o fungo da Cândida passe a ser patogênico, e nessa questão os probióticos também podem contribuir, já que são capazes de diminuir os processos inflamatórios através da estimulação da resposta de macrófagos.



Saiba mais sobre Influência da alimentação na microbiota

intestinaI esse e-book exclusivo e gratuito!