Você tem distensão abdominal? Funcho e óleo de menta podem te ajudar!


Entre as principais consequências da má digestão está a distensão abdominal, que é resultado da formação excessiva de gases. Esses gases, por sua vez, são formados a partir da fermentação que as bactérias fazem dos resíduos não digeridos. Dependendo do que estiver “sobrando” na porção final do intestino, as flatulências geradas podem ter um odor bastante fétido, o que acontece quando resíduos proteicos são fermentados, por exemplo.


Além de deixar a região abdominal mais “dura”, essa condição também causa muito desconforto e dor e pode atrapalhar de maneira considerável o seguimento da rotina, além de causar constrangimento para muitas pessoas. É importante ter em mente que distensão abdominal e gases de forma recorrente não são normais e devem ser interpretados como um sinal de alerta para buscar compreender a causa desse problema.


Antes de lançar mão de qualquer remédio ou suplemento para melhorar a digestão, é preciso entender a causa do processo não estar acontecendo adequadamente. Às vezes é uma simples questão de mastigação insuficiente, e um pouco mais de tempo mastigando bem os alimentos pode gerar bastante alívio; em outros casos, pode existir alguma deficiência na produção e liberação de enzimas digestivas e/ou sais biliares, situação que demanda a utilização da suplementação das enzimas em si. Mas uma vez que esteja se investigando a raiz do problema, é sempre bom ter ao alcance algumas medidas que podem ajudar caso os gases surjam e a distensão se instale. E se essas medidas forem naturais, melhor ainda!


Um combo que eu gosto muito é o funcho e o óleo de menta: ambos possuem um efeito carminativo, ou seja, são capazes de combater as flatulências, controlando os gases no trato gastrointestinal. Esses dois ingredientes atuam de forma sinérgica, e também podem ajudar a diminuir a sensação de dor causada quando há um excesso de gases.


O funcho muitas vezes é confundido com a erva doce, que também possui propriedades digestivas, mas o primeiro é mais específico para tratamento de gases e distensão. Pode ser utilizado na forma de chá ou em cápsulas. Estas podem ser manipuladas com o extrato seco ou com o óleo essencial, que costuma ser mais concentrado nos compostos bioativos da planta.


Já o óleo essencial de menta apresenta uma série de indicações e você pode ver por aí recomendações de fazer inalações ou usá-lo em difusores. Para o fim de melhora da distensão e dos gases, o mais indicado é usar o óleo em cápsulas, para atuar diretamente no trato gastrointestinal. Muito cuidado com recomendações de ingestão: óleos essenciais são altamente concentrados e podem causar prejuízos se ingeridos de maneira inadequada.


A automedicação deve sempre ser evitada, e conversar com um profissional especialista em fitoterapia é altamente recomendado antes de fazer o uso das cápsulas desses dois óleos. O chá acaba sendo uma opção mais segura, mas para isso é preciso consumir com moderação e apenas uma xícara quando o problema surgir.


Se você gosta de dicas de plantas, ervas e produtos naturais em geral para aliviar diferentes sintomas, principalmente intestinais, continue acompanhando os conteúdos que preparo para vocês por aqui e pelo meu instagram!



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Westphal, J., Hörning, M., & Leonhardt, K. (1996). Phytotherapy in functional upper abdominal complaints. Phytomedicine, 2(4), 285–291. doi:10.1016/s0944-7113(96)80070-5

Weerts, Z. Z. R. M., Masclee, A. A. M., Witteman, B. J. M., Clemens, C. H. M., Winkens, B., Brouwers, J. R. B. J., … Keszthelyi, D. (2019). Efficacy and Safety of Peppermint Oil in a Randomized Double-blind Trial of Patients With Irritable Bowel Syndrome. Gastroenterology. doi:10.1053/j.gastro.2019.08.026

Portincasa P, Bonfrate L, Scribano M, Kohn A, Caporaso N, Festi D, Campanale M, Di Rienzo T, Guarino M, Taddia M, Fogli M, Grimaldi M, Gasbarrini A. Curcumin and Fennel Essential Oil Improve Symptoms and Quality of Life in Patients with Irritable Bowel Syndrome. JGLD [Internet]. 1Jun.2016;25(2):151-7. Available from: https://www.jgld.ro/jgld/index.php/jgld/article/view/1100