PLANT BASED - rica em carnes ou rica em vegetais?



A dieta plant-based consiste principalmente ou inteiramente de alimentos vegetais. A dieta plant-based deriva de plantas, o que inclui vegetais, grãos, nozes, sementes, legumes e frutas, sem alimentos de origem animal e ingredientes artificiais. Embora a dieta limite produtos de origem animal, a plant-based não é necessariamente vegana. A Academy of Nutrition and Dietetics declara que dietas plant-based bem planejadas podem auxiliar na saúde e são apropriadas para todas as fases da vida, incluindo gravidez, lactação, infância e idade adulta, bem como para atletas.


As dietas plant-based fornecem benefícios físicos bem estabelecidos, que derivam, em parte, da restrição de alimentos de origem animal. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), o consumo de uma dieta saudável ao longo da vida ajuda a prevenir a desnutrição em todas as suas formas, bem como uma série de Doenças Crônicas Não-transmissíveis (DCNT’S), e deve conter frutas, vegetais, legumes, sementes e grãos integrais, alimentos que compõem a base da alimentação plant-based.


O termo “plant-based” abrange amplos padrões dietéticos que contêm quantidades menores de produtos de origem animal e maiores quantidades de produtos vegetais como frutas, cereais integrais, legumes, nozes e sementes. No entanto, o uso da “dieta à base de plantas” se modificou ao longo do tempo e passou a ser referida a dietas vegetarianas, veganas e dietas que incluem quantidades limitadas de alimentos de origem animal.


É possível atender facilmente às necessidades de proteína em uma dieta plant-based, ao ingerir alimentos fonte de proteína vegetal. Estes incluem lentilha, feijões, grão de bico, sementes, nozes, castanhas e suas pastas (por ex., pasta de amendoim) e tofu. Os ovos e laticínios também são fontes de proteínas para os plant-based Lacto-ovo-vegetarianos, Ovo-vegetarianos e Lacto-vegetarianos. Quando combinadas, as proteínas vegetais fornecem todos os aminoácidos essenciais e são considerados fonte de proteína, mesmo que não sejam consideradas proteínas de alto valor biológico, como as proteínas de origem animal. Além disso, o consumo de proteínas vegetais resulta em uma redução na ingestão de gorduras saturadas.


Padrões dietéticos com consumo elevado de fontes vegetais, como observado no padrão dietético plant based, são associados a redução de biomarcadores inflamatórios. As dietas veganas são caracterizadas pela exclusão não somente de alimentos de origem animal, mas também de produtos que tenham relação com a exploração animal, como vestuários e cosméticos, e possui um padrão de consumo elevado de frutas, verduras, vegetais, leguminosas, grãos integrais, nozes e sementes. Isso caracteriza um padrão protetor contra muitas doenças inflamatórias, como as doenças inflamatórias intestinais. Uma série de mecanismos são responsáveis por estes efeitos observados no padrão de consumo, o que inclui um sistema imunológico potencialmente fortalecido, e sugere-se que seus efeitos benéficos à saúde seja pela redução e/ou exclusão de carnes. O padrão plant-based vegano, com exclusão total de alimentos de origem animal promove modificações orgânicas relacionadas à redução da inflamação e defesa antioxidante, redução em 14% de marcadores lipídicos como LDL-c e colesterol, responsáveis por perpetuar processos inflamatórios endoteliais, e redução em 29% da prevalência de doença cardiovascular isquêmica.


Observa-se, portanto, que as dietas a base de plantas com redução considerável ou até exclusão de alimentos de origem animal exercem benefícios cardiometabólicos por meio de vários mecanismos.



Saiba mais sobre o Plant based diet com esse e-book exclusivo e gratuito!