top of page

Microbiota Club 2023


Você já está com saudade do Microbiota Club 2023? Então confere nesse post alguns momentos do evento do ano em Microbiota intestinal.

O evento começou sábado com a palestra de Karina Al Assal sobre intestino e emoções. E por que nós nutricionistas deveríamos nos preocupar com as emoções de nossos pacientes? Porque as emoções estão fortemente conectadas com o intestino. Muitas situações estressoras trazem sintomas gástricos para essas pessoas e devemos saber como lidar também com essa particularidade do atendimento. Durante a palestra, Karina mostrou que, segundo estudos, pacientes com Síndrome do Intestino Irritável, por exemplo, apresentam mais sintomas de ansiedade e depressão do que pessoas sem a condição. Como ajudar? Karina Al Assal sugere uma mudança no estilo de vida do paciente, com manejo de estresse, prática de atividade física, variedade alimentar e de fibras, consumo de alimentos fermentados, diminuir excesso de açúcar e ultraprocessados, oferta de polifenóis, que você pode encontrar nos chás Amazing You.

Soraia Tahan falou sobre as aplicabilidades do teste de hidrogênio no ar expirado, para diagnóstico de intolerância à frutose e SIBO. A intolerância à frutose é pouco conhecida e muitas vezes pode ser confundida com outras condições, isso é especialmente ruim, pois pode fazer com que o paciente tenha mais restrições do que de fato precisaria. A frutose é mal absorvida e traz muito desconforto para o paciente, devido aumento de água no intestino, que pode causar distensão abdominal e diarreia e a condição pode ser acompanhada por outras desordens intestinais. Os fatores de risco para SIBO são inúmeras, algumas são: divertículos, aderências, cirrose, pancreatite, doença de crohn, doença celíaca, dismotilidade do intestino delgado, síndrome do intestino irritável, diabetes, idade avançada, entre outros. O teste de hidrogênio pode ser considerado positivo se ocorrer aumento de 20 ppm ou mais sobre o valor de jejum após a ingestão do carboidrato até 90 minutos de teste, tempo que corresponde ao intestino delgado.

Depois disso, tivemos a palestra do Dr Marcus Zanetti, psiquiatra que cuida de diversos pacientes com desordens intestinais de forma integrativa. Dr Marcus falou sobre a influência da microbiota intestinal em transtornos de ansiedade, e citou a dieta mediterrânea como uma boa opção para cuidado do intestino e mente.

O Dr Luciano trouxe seu conhecimento sobre intestino e longevidade, e destaca o butirato, um produto da microbiota intestinal capaz de, além de evitar uma disbiose intestinal, combater o envelhecimento precoce, já que diminui SASP (fenótipo secretor associado à senescência). Como cultivar o butirato? Oferecendo ao paciente uma alimentação variada, rica em beta glucanas, presentes na aveia, lignanas, presentes na linhaça, ácido elágico, na romã, epigalocatequinas, presentes por exemplo no chá verde.

No bloco da saúde da mulher, Dra Vânia Mattoso fala sobre a relação entre endometriose e síndrome do intestino irritável, casos muito familiares para nutricionistas da área intestinal. A endometriose é uma desordem inflamatória dependente de estrogênio, e causa muitas dores na paciente, como dor ao evacuar, dor nas relações sexuais, ao urinar, menstrual, dor pélvica, além da dificuldade para engravidar. Para o acompanhamento, a nutricionista sugere um cuidado especial para a mente da paciente, alimentação equilibrada, chás de alecrim, hortelã, erva doce, gengibre e camomila, enzimas, glutamina, probióticos para disbiose e atividade física.

No segundo dia, começamos com a Dra Denise de Carvalho, que abordou um assunto que está em alta, a relação microbiota e intestino, mais especificamente, hormônios e intestino. Para evitar o uso de remédios que estão na moda para emagrecer e não alterar o funcionamento do intestino, a Dra sugere uma alimentação rica em prebióticos, que sinalizam saciedade para o cérebro. A dieta pode ser também mediterrânea, rica em fibras como psyllium, proteínas e polifenóis.

O Dr Cristiano Rudge trouxe seu conhecimento vasto em SIBO, síndrome que causa sintomas por conter um grande número de bactérias no intestino delgado, e que tem também a característica do baixo ferro e B12 no hemograma dos pacientes. Dr Cristiano cita, como possíveis dietas para tratamento de SIBO a dieta elementar, baseada nos nutrientes que o paciente precisa, dieta de baixa fermentação ou a dieta Low FODMAP. Visto que a SIBO volta em 65% dos casos, o palestrante sugere que busquemos a causa para essa SIBO, e que essa causa seja tratada, para então livrar o paciente de SIBOs recorrentes.

Dra Juliana Carneiro falou sobre a síndrome de ativação mastocitária (SAM), que tem como característica principal a ativação exacerbada dos mastócitos, que leva a inúmeros sintomas em mais de dois sistemas do corpo do paciente com a condição. Apesar da dieta baixa em histamina ser uma opção para pacientes com SAM, a SAM é muito maior e mais complexa do que a intolerância à histamina, e pode ter inúmeros outros gatilhos. É preciso educar o paciente que foi diagnosticado com SAM, aconselhando sobre preferir alimentos frescos, evitar completamente ultraprocessados, consumir alimentos embalados a vácuo, entre tantas outras particularidades, até mesmo uma mudança de casa, caso necessário seja.

A palestra da Rita Castro sobre biohacking nos mostrou a importância de voltar às nossas origens, se quisermos viver mais e melhor. Uma das formas mais simples que a Dra cita é a prática de grounding, ou, colocar o pé na natureza, seja na grama ou na areia de praia, para se energizar, prática esta capaz também de diminuir a inflamação.

Em seguida, Dra Karina Al Assal trouxe um estudo de caso de uma paciente com intolerância à histamina que desejava engravidar. Foi passada para ela uma dieta baixa em alimentos mais altos em histamina, a inclusão de suplementos que podem ajudar a degradar a histamina, trabalhar a ansiedade, a barreira intestinal e melhora de digestão. Entre os suplementos, ômega 3, quercetina, magnésio, vit C, entre outros. Importante lembrar que o tratamento é extremamente individual, e o que um paciente pode tolerar, pode ser gatilho para o outro. Como resultado, essa paciente conseguiu realizar seu sonho e engravidar.

Na palestra de Bruno Zylber, vimos algumas novidades do mundo dos probióticos, bem como a histórias desses seres e seus usos nos milênios passados. Entre os ensinamentos da palestra, fica o conselho de apenas dar probióticos para o paciente que já tiver mostrado melhora em seu intestino, com oferta de um bom ambiente com bom substrato para alimentar esses microrganismos.

A palestra que fechou com chave de ouro esse evento incrível foi a do Professor Murilo Pereira, que nos lembrou da importância do alimento natural, que você come descascando, não desembalando. As frutas são ricas em água, essa água se liga na fibra solúvel do alimento, que confere inúmeros benefícios para a saúde não só intestinal, mas do corpo como um todo.

O evento foi incrível e pode trazer conhecimento de palestrantes em dois dias intensos. Ano que vem tem mais, por enquanto, você pode continuar nos seus estudos participando do Mastermind em Microbiota intestinal, que está com inscrições abertas e se aprofundar ainda mais no mundo da saúde do trato gastrointestinal,



Comments


bottom of page