Como o envelhecimento pode afetar a microbiota?



Sabe-se que durante o processo de envelhecimento diversas mudanças ocorrem no organismo, o trato gastrointestinal também sofre essas mudanças, sendo algumas delas: degeneração do sistema nervoso entérico, alteração da motilidade do intestino e da barreira mucosa com redução da função de defesa, o que, por si só, já pode ser responsável por várias patologias. Essas funções geram uma mudança na microbiota intestinal (conjunto de microrganismos presentes no organismo humano), com consequências no eixo intestino-cérebro. Essas alterações na composição da microbiota intestinal têm sido associadas a doenças inflamatórias do intestino, distúrbios metabólicos, diabetes, doenças cardiovasculares, câncer colorretal, constipação intestinal e fragilidades que podem ocorrer no idoso.


A microbiota tem um papel muito importante nos mecanismos de defesa contra bactérias patogênicas, mas em idosos, ocorre um declínio nas funções corpóreas, e com isso, o sistema imunológico é diretamente afetado, podendo resultar na instalação de infecções oportunistas, que vulnerabiliza ainda mais o idoso e o deixa mais suscetível a doenças e problemas agravantes na saúde. Foi observado que bactérias como Actinobacteria e Bifidobacterium, responsáveis por diminuir as respostas pró-inflamatórias, diminuem com a idade; já a Proteobacteria , que é um grupo de bactérias indutoras de inflamação, aumentam com a idade. A perda de paladar, olfato e perda de apetite em pessoas de maior idade se justifica como uma consequência da diminuição no número de bacteroides e bifidobactérias no envelhecimento.


As mudanças na microbiota intestinal relacionadas à idade iniciam após uma idade determinada geneticamente e ambientalmente (geralmente, após os 65 anos), dependendo de características individuais relacionadas à raça, etnia, uso de drogas, estilo de vida, hábitos alimentares, uso de antibióticos, estresse e estado imunológico, aumentando o número de microrganismos nocivos à saúde.


Além dos fatores citados acima, a disbiose pode ser considerado como um fator desencadeante para disfunções na microbiota; disbiose é a redução das colônias de bacterioides, bifidobacteria e crescimento de anaeróbios facultativos, aumentando as bactérias patogênicas e diminuindo as que auxiliam no processo de homeostase; ou seja, o desequilíbrio entre bactérias protetoras e patogênicas.


A disbiose pode causar a multiplicação de bactérias patogênicas e, consequentemente, a produção de toxinas metabólicas que podem exacerbar os processos inflamatórios. As possíveis causas da disbiose são a má alimentação, a idade avançada, o estresse, a má digestão, o tempo de trânsito intestinal, o PH intestinal, entre outros. Como já mencionado, no envelhecimento, pode ocorrer uma redução das colônias de bacteroides, bifidobactérias e uma menor produção de ácidos graxos de cadeia curta, e também o crescimento de anaeróbios facultativos, como fusobactérias, clostrídeos, eubactérias e maior atividade proteolítica. Essas variações podem ser atribuídas à dieta, pois os alimentos consumidos servirão de combustível para as bactérias intestinais. Logo, uma dieta e hábitos inadequados poderão contribuir para o aparecimento da disbiose. A diversidade diminuída em comparação a pessoas mais jovens é algo característico na composição da microbiota intestinal dos idosos, além de uma abundância reduzida de espécies produzindo butirato e a presença de patógenos potenciais no organismo.


O uso de suplementos alimentares como os prebióticos e os probióticos estão sendo analisados como ações preventivas e terapêuticas, a ingestão regular destes suplementos está associada com uma maior produção de enterobactérias protetoras como os lactobacilos e as bifidobactérias. Os probióticos e prebióticos estão presentes na alimentação e atuam na manutenção da microbiota intestinal, gerando efeitos benéficos. Esses suplementos fazem com que as bifidobactérias produzam sais orgânicos, estimulando o peristaltismo, acelerando o trânsito intestinal e melhorando a constipação intestinal.


A baixa qualidade da dieta de pessoas idosas, juntamente com a atividade física diminuída, provoca uma diminuição da motilidade intestinal, alteração na fermentação bacteriana reduzida e uma microbiota fecal menos diversa. Isso é mais comum em idosos que vivem em instituições de longa permanência, por ter uma menor variabilidade dos alimentos. Essa baixa qualidade da dieta se refere a inadequação na ingestão calórica, de macro e micronutrientes, e do consumo insuficiente de fibras, devido ao baixo consumo de frutas. As mudanças fisiológicas e metabólicas que ocorrem durante o envelhecimento fazem com que o idoso se torne mais suscetível a quadros de desnutrição e deficiências nutricionais, ocasionando diminuição da força, fadiga, perda da autonomia e da qualidade de vida. Um dos fatores que podem favorecer o desenvolvimento desses quadros é o isolamento social decorrente da COVID-19.


A microbiota possui um papel muito importante no metabolismo de xenobióticos (compostos químicos estranhos ao corpo humano, como fármacos, pesticidas, plásticos, etc.), desta forma, a microbiota consegue converter fármacos inativos (pró-fármacos) em formas ativas, como no caso da sulfassalazina, usada no tratamento de colite ulcerosa. A microbiota também pode codificar enzimas que destoxificam os xenobióticos, resultando em alterações na eficácia e na toxicidade do fármaco. Sendo assim, é possível que a microbiota do idoso já não consiga processar os fármacos da mesma forma que uma microbiota jovem, podendo não converter corretamente formas inativas ou falhando em destoxificar os xenobióticos.


A modulação da microbiota intestinal pode ajudar a facilitar o processo de envelhecimento fisiológico e não patológico, e talvez, contrastar a progressão dos mecanismos degenerativos. Espera-se que essas intervenções possam ser benéficas para idosos, em especial, como efeito direto e indireto sobre a resposta imune, podendo modificar o risco de doenças infecciosas que são frequentemente observadas nos idosos, reduzindo indiretamente a hospitalização e cuidados a longo prazo.


Referências:

  • Mangiola F, Nicoletti A, Gasbarrini A, Ponziani FR. Gut microbiota and aging. Eur Rev Med Pharmacol Sci. 2018 Nov;22(21):7404-7413. doi: 10.26355/eurrev_201811_16280. PMID: 30468488.

  • Iwauchi M, Horigome A, Ishikawa K, Mikuni A, Nakano M, Xiao JZ, Odamaki T, Hironaka S. Relationship between oral and gut microbiota in elderly people. Immun Inflamm Dis. 2019 Sep;7(3):229-236. doi: 10.1002/iid3.266. Epub 2019 Jul 15. PMID: 31305026; PMCID: PMC6688080.

  • MONTEIRO, Ítala Rafaella Filgueira et al.. Alterações na microbiota intestinal durante o processo de envelhecimento. Anais VI CIEH... Campina Grande: Realize Editora, 2019. Disponível em: <https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/53126>. Acesso em: 18/07/2021

  • SILVA, TN; et al. Microbiota intestinal e associações com desordens clínicas em função da faixa etária de idosos: um estudo analítico transversal. Estud. Interdiscipl. Envelhec., Porto Alegre, v. 21, n.1, p. 263-281, 2016.

  • BIAGI, Elena et al. Through Ageing, and Beyond: Gut Microbiota and Inflammatory Status in Seniors and Centenarians. PLOS ONE, San Francisco, v. 5, n. 5, p. e10667, Maio 2010

  • Juárez-Fernández M, Porras D, García-Mediavilla MV, Román-Sagüillo S, González-Gallego J, Nistal E, Sánchez-Campos S. Aging, Gut Microbiota and Metabolic Diseases: Management through Physical Exercise and Nutritional Interventions. Nutrients. 2020 Dec 23;13(1):16. doi: 10.3390/nu13010016. PMID: 33374578; PMCID: PMC7822442.

  • GERMOGLIO, Rebecca Garcia. Qualidade da refeição consumida por idosos institucionalizados em Natal, RN, Brasil. 2018. Dissertação de Mestrado. Brasil.

  • CONRADO, Bruna Ágata et al. Disbiose Intestinal em idosos e aplicabilidade dos probióticos e prebióticos. Cadernos UniFOA, v. 13, n. 36, p. 71-78, 2018.

  • MARQUES, Ana Paula de Oliveira et al. Envelhecimento, obesidade e consumo alimentar em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 10, p. 231-242, 2019.

  • MACIEL, Marcos Gonçalves. Atividade física e funcionalidade do idoso. Motriz: Revista de Educação Física, v. 16, n. 4, p. 1024-1032, 2010.

  • GOMES, Ana Patrícia Pereira. A microbiota intestinal e os desenvolvimentos recentes sobre o seu impacto na saúde e na doença. 2017. Tese de Doutorado.