3 nutrientes fundamentais no reparo da mucosa intestinal


A mucosa intestinal é responsável por revestir as paredes do intestino. Ela fornece a função protetora deste órgão e uma vez que é afetada pode impactar em uma série de complicações, como digestão deficiente, má absorção e até mesmo comprometimento do sistema imune. A mucosa é revestida por microrganismos que protegem a adesão de comensais no epitélio intestinal, portanto a diversidade de microrganismos benéficos também é fundamental para a proteção da barreira.


Além disso, ela desempenha um papel crucial nas interações microbianas do hospedeiro. As mucinas são importantes condutores da composição e funcionalidade da microbiota intestinal. Por sua vez, a microbiota da mucosa tem um impacto generalizado na composição e espessura do muco, bem como no sistema imunológico.


A microbiota no trato digestivo é propensa a desequilíbrio e desordem. Diante disso, pode ocorrer o comprometimento da mucosa e consequentemente favorecer o surgimento de doenças sistêmicas devido a interação do intestino com diversos órgãos.


Alguns nutrientes são capazes de favorecer o reparo da mucosa intestinal e sabendo da importância da integridade da barreira, faz-se fundamental conhecê-los.


Fibras alimentares

As bactérias benéficas presentes no intestino utilizam as fibras alimentares como fonte de energia para se proliferarem. Após a fermentação das fibras, diversos compostos benéficos são produzidos.


Os microrganismos benéficos quando utilizam as fibras como substrato de energia, tem sua colonização aumentada. Estes microrganismos são capazes de produzir muco e consequentemente desempenham papel importante na barreira intestinal. A presença do muco na barreira é capaz de prevenir o surgimento de doenças inflamatórias intestinais, uma vez que previne a adesão de bactérias patogênicas no epitélio intestinal.


Em contrapartida, uma alimentação pobre em fibras e rica em açúcares simples podem desencadear um esgotamento substancial da diversidade microbiana intestinal e metabólitos benéficos.


Ômega-3

O ácido graxo poliinsaturado Ômega-3 têm efeitos positivos na modulação a microbiota intestinal. Estudos mostram que este nutriente contribui para uma maior diversidade e uma população mais abundante do gênero Akkermansia.


Akkermansia é um probiótico potencial que pode produzir ácidos graxos de cadeia curta e resistir à invasão de microrganismos patogênicos. Assim, o conteúdo adequado de alimentos e suplementos de Ômega-3 pode otimizar a microbiota intestinal e por sua vez reduzir os danos causados pelo desequilíbrio.


Além disso, o ômega-3 é um nutriente com elevado potencial anti inflamatório que promove aumento na imunidade intestinal e sistêmica.


Zinco

O zinco é um mineral responsável pelo metabolismo de ácidos nucleicos, transdução de sinal, dobramento de proteínas e expressão gênica. É um nutriente que está envolvido como cofator em mais de 300 reações enzimáticas.


Ele é absorvido principalmente no intestino delgado, bem como no estômago e intestino grosso por meio de um mecanismo mediado por difusão insaturável. O zinco é indispensável para o crescimento da maioria dos organismos. Além disso, numerosas células bacterianas requerem sistemas de absorção de zinco para crescimento.


Considerando que o intestino abriga a maioria dos microrganismos de um indivíduo, nos últimos anos, inúmeros estudos em animais foram realizados com o objetivo de elucidar o impacto do zinco na microbiota intestinal.


Ele é um mineral capaz de atual na manutenção da integridade da barreira intestinal, favorecendo a multiplicação e diferenciação das células, sendo fundamental para a regeneração da mucosa.


Referências bibliográficas:

Janssen, Sara; Depoortere, Inge (2013). Nutrient sensing in the gut: new roads to therapeutics?. Trends in Endocrinology & Metabolism, 24(2), 92–100. doi:10.1016/j.tem.2012.11.006

Rinninella E, Mele MC, Merendino N, Cintoni M, Anselmi G, Caporossi A, Gasbarrini A, Minnella AM. The Role of Diet, Micronutrients and the Gut Microbiota in Age-Related Macular Degeneration: New Perspectives from the Gut–Retina Axis. Nutrients. 2018; 10(11):1677. https://doi.org/10.3390/nu10111677

Wu J, Zhao Y, Wang X, et al. Dietary nutrients shape gut microbes and intestinal mucosa via epigenetic modifications. Crit Rev Food Sci Nutr. 2022;62(3):783-797. doi:10.1080/10408398.2020.1828813