3 chás com potencial anti-inflamatório



Infusões são bebidas ancestrais, produzidas com diferentes tipos de plantas, ervas e raízes, e assim carregam em si um variedade de compostos bioativos, especialmente fitoquímicos. Essas substâncias de origem vegetal existem nas plantas para protegê-las de ameaças do ambiente e garantir sua sobrevivência. Quando as ingerimos, apresentam funções diversas no nosso organismo que favorecem um ambiente metabólico ativo e saudável. Tem se tornado cada vez mais evidentes os potenciais terapêuticos dessas substâncias, sendo os mais “clássicos”, os potenciais antioxidantes e antiinflamatórios.


A “identidade fitoquímica” de cada chá faz com que cada um deles tenha indicações específicas, dependendo do objetivo que se busca ao consumi-lo, e se a busca é por compostos anti inflamatórios, podemos apostar nas infusões de gengibre, de cúrcuma e também no chá verde, feito a partir da Camellia sinensis.


O gengibre é uma raiz bastante aromática, o que faz com que, desde muito tempo, seja utilizado como tempero e forma de aromatizar diversas preparações. Mas além desse potencial sensorial, o gengibre é rico em terpenóides e constituintes pungentes, principalmente os gingeróis, associados ao seu sabor característico. A composição de fitoquímicos dessa raiz lhe confere importante poder anti-inflamatório e analgésico, já atestado em estudos que utilizaram o gengibre no manejo das dores musculares tardias após o exercício físico intenso e também no alívio das cólicas menstruais, encontrando resultados positivos em ambas situações. Tal potencial anti-inflamatório também é muito interessante de ser aproveitado para dar suporte à redução da inflamação sistêmica do organismo, aliando o consumo desse chá à escolhas alimentares mais saudáveis e prática de exercício físico.


A cúrcuma (ou açafrão-da-terra) é uma raiz que tem a curcumina como seu principal composto bioativo, mas também é rica em outras formas de curcuminóides que exercem efeitos benéficos na saúde. Essa raiz possui elevada atividade anti-inflamatória pois seus componentes são capazes de inibir uma das mais relevantes vias de inflamação do organismo em si - a do NF-kB - assim como também atuam sobre outras moléculas inflamatórias que estimulam a ativação dessa via, regulam negativamente a ação de citocinas pró-inflamatórias e diminuem a proliferação de células responsáveis pela resposta inflamatória.


O potencial antioxidante da cúrcuma também é importante quando falamos de combate à inflamação, pois se o estresse oxidativo não for controlado, também pode ativar a resposta inflamatória do organismo. E é sempre válido lembrar que a inflamação é o pano de fundo de condições como a obesidade, disbiose, cânceres e outros comprometimentos metabólicos.


O chá verde é a bebida mais consumida na parte oriental do globo e tem ganhado cada vez mais fama na porção ocidental, principalmente pelos seus apelos positivos para a saúde. Esse chá é preparado a partir das folhas frescas da Camellia sinensis, que também dá origem a diferentes outros tipos de chás, o que vai depender do processamento pelo qual ela irá passar. No caso do chá verde, essas folhas são processadas no vapor, de forma a evitar que cheguem ao ponto de fermentação. Esse tipo de manufaturamento, dá origem às ervas ricas em diferentes catequinas, os polifenóis que respondem por boa parte dos efeitos benéficos desse chá, inclusive o anti inflamatório. A epigalocatequina galato é a que apresenta esse efeito de forma mais expressiva, sendo também dotada de um importante potencial antitumorigênico.


A composição de cada infusão pode variar de acordo com sua origem e concentração. É preciso se atentar também para os diferentes modos de preparo, com o uso de infusão para ervas (como o chá verde) e de decocção para partes mais resistentes como raízes (do gengibre e açafrão-da-terra, por exemplo). Cada composição tem um perfil diferente de compostos benéficos para oferecer, o que faz com que o ideal seja variar o consumo entre os diferentes tipos e evitar excessos, visto que a ingestão excessiva de alguns compostos que, em pequenas quantidades são benéficos, pode resultar em algum efeito colateral indesejado.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Westerterp-Plantenga, M., Diepvens, K., Joosen, A. M. C. P., Bérubé-Parent, S., & Tremblay, A. (2006). Metabolic effects of spices, teas, and caffeine. Physiology & Behavior, 89(1), 85–91. doi:10.1016/j.physbeh.2006.01.027


Konstantinidi, M., & Koutelidakis, A. E. (2019). Functional Foods and Bioactive Compounds: A Review of Its Possible Role on Weight Management and Obesity’s Metabolic Consequences. Medicines, 6(3), 94. doi:10.3390/medicines6030094


Kocaadam, B., & Şanlier, N. (2015). Curcumin, an active component of turmeric (Curcuma longa), and its effects on health. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 57(13), 2889–2895. doi:10.1080/10408398.2015.1077195


Musial, C., Kuban-Jankowska, A., & Gorska-Ponikowska, M. (2020). Beneficial Properties of Green Tea Catechins. International journal of molecular sciences, 21(5), 1744. https://doi.org/10.3390/ijms21051744