Você olha para o seu cocô? Veja algumas coisas que ele pode te contar!



Muitas pessoas possuem o hábito de olhar o vaso sanitário após a defecação para verificar o aspecto do seu próprio cocô e por mais estranho que isso pareça, esse simples ato pode dizer muito sobre o estado de saúde que essa pessoa se encontra.


As fezes são constituídas basicamente por 75% de água e 25% de outros conteúdos sólidos, porém essa distribuição pode variar muito de acordo com a dieta de cada indivíduo. Ainda, aproximadamente 2 /3 do peso úmido das fezes são formados por bactérias da nossa microbiota intestinal e a frequência de defecação normal pode ser de 3 vezes diariamente ou 1 a cada 3 dias, mas isso é muito individual e podem ocorrer diferenças de acordo com o organismo de cada pessoa.


A textura, formato e cor das fezes pode ser um indicativo de algo errado está acontecendo dentro de você, mas na maioria das pessoas o padrão considerado normal se refere a fezes com aspecto de salsicha e coloração marrom que afunda em contato com a água.

Para facilitar o conhecimento sobre o aspecto das fezes foi criada uma classificação chamada de escala de Bristol, onde existem 7 categorias de fezes e as que estiverem entre 3 e 5 são consideradas normais. Sendo:

  1. cocô em forma de bolinhas duras, apresenta dificuldade para sair e pode estar relacionado a baixa ingestão de água e fibras e quadro de constipação;

  2. apresenta formato de salsicha com bolinhas na superfície e muitas vezes também está associado ao consumo inadequado de água e fibras;

  3. formato de salsicha com rachaduras mais leves na superfície, está mais semelhante ao padrão normal;

  4. formato de salsicha com aspecto macio e liso, não apresenta dificuldade para sair, por isso é considerado o padrão normal;

  5. consistência mole e formato irregular, contendo pedaços macios. Ainda está dentro da normalidade, porém requer atenção.

  6. Aspecto mole e irregular com algumas partes líquidas. Podem ser grudentas se a absorção de gorduras estiver inadequada, ou tenha sido consumida em excesso. Mas já é um indicativo de possível diarreia.

  7. Fezes completamente líquidas e pode apresentar muco. Esse quadro de diarreia não deve ser comum, podendo estar relacionado a reações adversas ou contaminação alimentar.

A coloração das fezes também é um ponto muito importante a ser avaliado, mas geralmente elas são marrons devido a presença de bilirrubina na composição da bile. A coloração verde pode estar associada ao consumo excessivo de vegetais verdes e diarreia; as amarelas têm relação com má digestão e absorção de gorduras, doença celíaca e fibrose cística; as pretas estão associadas a suplementação de ferro ou outras alterações que requerem avaliação médica, tais como úlceras e sangramento intestinal; fezes claras ou beges não são consideradas normais em nenhuma condição, podendo ser indicativo de alterações hepáticas ou obstrução de ducto biliar.


As fezes vermelhas estão associadas a presença de sangramento intestinal interno, hemorróidas, infecção intestinal, doença de crohn, colite ulcerativa, sangramento de divertículos ou câncer de cólon; no entanto alguns alimentos como gelatinas e geléias também podem ocasionar essa cor. Devido a isso, é muito importante avaliar a permanência de qualquer coloração estranha e buscar avaliação médica.


A ingestão em quantidades adequadas de legumes, verduras, frutas e grãos integrais permite que o sistema intestinal seja estimulado de forma adequada, e aumente a frequência da defecação com fezes de consistência e coloração normais, desde que o paciente não tenha nenhuma outra doença que possa interferir nisso.


Além disso, as fezes também são veículos para eliminação de água corporal, por isso se o indivíduo ingere pouca quantidade de água, provavelmente ele terá um quadro de constipação. Nesse sentido, a constipação está muito associada com a baixa oferta de fibras e líquidos na dieta. No entanto, na maioria dos casos a ingestão adequada desses componentes é suficiente para reverter esse quadro. Sendo a ingestão de fibras ideal para adultos em torno de 25-30g e para crianças maiores de 3 anos, de 5-6g por ano de idade diariamente.


Algumas pessoas também podem apresentar quadros de diarreia, com a eliminação de 3 ou mais fezes de aspecto mole e líquidas por dia. Ela é ocasionada principalmente quando os movimentos intestinais estão acelerados, ou existe alguma dificuldade enzimática digestiva, menor absorção de nutrientes e líquidos, maior secreção de fluidos corporais ou ainda eliminação de líquidos corporais internos.


Referências:

Watanabe, D., Murakami, H., Ohno, H., Tanisawa, K., Konishi, K., Todoroki-Mori, K., ... & Miyachi, M. (2021). Stool pattern is associated with not only the prevalence of tumorigenic bacteria isolated from fecal matter but also plasma and fecal fatty acids in healthy Japanese adults. BMC microbiology, 21(1), 1-12.

Brewer, S., & Seth, S. (2018). Stool characteristics explained. Nursing Made Incredibly Easy!, 16(3), 14–19. doi:10.1097/01.nme.0000531881.864

Kasırga, E. (2019). The importance of stool tests in diagnosis and follow-up of gastrointestinal disorders in children. Turkish Archives of Pediatrics/Türk Pediatri Arşivi, 54(3), 141.