Vinagre de maçã: porque e como usar?


As alegações de propriedades milagrosas do vinagre de maçã são muitas, mas quais realmente são verdadeiras? Vamos descobrir?

O vinagre de maçã é produzido a partir da fermentação de suco de maçã em etanol por bactérias e leveduras, seguida de uma segunda fermentação, transformando o etanol em ácido acético.

Os efeitos do vinagre de maçã no metabolismo derivam da ação dos ácidos orgânicos – principalmente ácido acético, mas também do succínico, do ascórbico, do fórmico, do cítrico, do oxálico – e de polifenóis.

Controle da glicemia

Estudos sugerem que o consumo de vinagre de maçã (20g - 40g de água) antes das refeições pode promover melhora na sensibilidade à insulina pós-prandial tanto em indivíduos com resistência à insulina e Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2), quanto em indivíduos saudáveis. Assim, o vinagre de maçã pode ser útil para ajudar na supressão da hiperglicemia pós-prandial em indivíduos com histórico do evento em questão. Isso ocorre devido à capacidade do ácido acético - principal ácido orgânico presente no vinagre – de inibir a atividade de enzimas que quebram carboidratos (dissacarídeos) e de influenciar vias metabólicas, reduzindo a glicólise e promovendo a síntese de glicogênio.

Além disso, o consumo de vinagre de maçã por indivíduos com Diabetes Mellitus tipo 2 antes de dormir pode melhorar os níveis de glicose sanguínea em jejum. Esse efeito possivelmente ocorre devido à capacidade de reduzir digestão de amido e atrasar esvaziamento gástrico.

Redução de peso

O consumo de vinagre pode melhorar a sensação de saciedade, levando a uma redução da quantidade total de alimento consumida diariamente, favorecendo assim a perda de peso se pensado a longo prazo.

Esses efeitos são explicados por teorias de que há um atraso no esvaziamento gástrico, inibição da atividade de enzimas que quebram carboidratos, melhora na sensibilidade e secreção da insulina, saciedade pós prandial aumentada, consumo de energia reduzido e ativação de vias metabólicas associadas, como a via do AMPK.

Controle do perfil lipídico

Estudos mostram que o consumo de alimentos ricos em polifenóis, como o vinagre, pode levar a uma melhora do perfil lipídico no plasma e a proteção contra aterosclerose e doenças cardiovasculares.


Além disso, a suplementação de ácido acético, principal ácido do vinagre, pode promover redução dos triglicerídeos no sangue.

Atividade antioxidante

O vinagre de maçã, por ser rico em polifenóis, possui atividade antioxidante importante, combatendo espécies reativas de oxigênio como superóxido, peróxido de hidrogênio e radical hidroxila. Portanto, seu consumo habitual pode combater o estresse oxidativo no organismo, contribuindo para a prevenção de envelhecimento acelerado e diversas doenças como câncer, doenças cardiovasculares e doenças neurológicas.

Como usar o vinagre de maçã?

Assim, pode-se concluir que o vinagre de maçã, além de realçar o sabor de diversas preparações, pode ser benéfico para a prevenção e tratamento de doenças.

Mas cuidado! Se consumido em exagero, o vinagre e maçã podem levar a danos no esmalte, manchas e sensibilidade aumentadas nos dentes, além de desconforto gastrointestinal, pirose, gastrite, refluxo, arrotos e flatulência.

Dessa forma, o consumo com orientação de um nutricionista é essencial para evitar efeitos adversos. A recomendação é de um consumo moderado do produto, 1 col de chá podendo chegar até 1 col de sopa por dia, adicionado a preparações ou diluído em água para minimizar riscos de efeitos adversos.

Assim, mesmo com a necessidade de estudos mais robustos para confirmar os efeitos e mecanismos, é possível incluir o consumo do vinagre de maçã nos hábitos diários saudáveis buscando melhora dos quadros de sobrepeso, hiperglicemia e hiperlipidemia.

Referências

Budak, N. H., Aykin, E., Seydim, A. C., Greene, A. K., & Guzel-Seydim, Z. B. (2014). Functional Properties of Vinegar. Journal of Food Science, 79(5), 757–764. https://doi.org/10.1111/1750-3841.12434

Gheflati, A., Bashiri, R., Ghadiri-Anari, A., Reza, J. Z., Kord, M. T., & Nadjarzadeh, A. (2019). The effect of apple vinegar consumption on glycemic indices, blood pressure, oxidative stress, and homocysteine in patients with type 2 diabetes and dyslipidemia: A randomized controlled clinical trial. Clinical Nutrition ESPEN, 33, 132–138. https://doi.org/10.1016/J.CLNESP.2019.06.006

Johnston, C. S., Kim, C. M., & Buller, A. J. (2004). Vinegar Improves Insulin Sensitivity to a High-Carbohydrate Meal in Subjects With Insulin Resistance or Type 2 Diabetes. Diabetes Care, 27(1), 281–282.

Launholt, T. L., Kristiansen, C. B., & Hjorth, P. (2020). Safety and side effects of apple vinegar intake and its effect on metabolic parameters and body weight: a systematic review. European Journal of Nutrition, 59(6), 2273–2289. https://doi.org/10.1007/S00394-020-02214-3

White, A. M., & Johnston, C. S. (2007). Vinegar Ingestion at Bedtime Moderates Waking Glucose Concentrations in Adults With Well-Controlled Type 2 Diabetes. Diabetes Care, 30(11), 2814–2815.