Veja quais fitoterápicos podem ser usados na síndrome pós-covid!


A fitoterapia é uma prática integrativa e complementar, que vem ganhando reconhecimento em um período muito recente se considerarmos todo o tempo de história do uso das plantas e ervas para o manejo terapêutico de diferentes condições e sintomas. Ao longo do seu curso de existência, a fitoterapia foi exercida a partir da inclusão das plantas, ervas e raízes na alimentação, na sua forma bruta ou de chás. Hoje, além dessas possibilidades, também podemos trabalhar com formulações magistrais e suplementos que, na padronização e doses adequadas, ofertam mais facilmente a quantidade necessária dos compostos bioativos responsáveis pelos efeitos atribuídos a um determinado fitoterápico.


Ao olharmos com essa visão integrativa para as manifestações mais comuns da Síndrome Pós Covid (SPC), não será difícil perceber que a fitoterapia, exercida de forma segura (ou seja, com acompanhamento profissional), é uma opção carregada de benefícios a ser utilizada. Isso porque, além de atuar sobre as manifestações e sintomas, estamos falando de uma medida natural, com reduzido risco de efeitos colaterais. E é claro, sempre lembrando que estamos falando de uma prática COMPLEMENTAR, que não substitui tratamentos convencionais e o ajuste nutricional necessário na Síndrome Pós Covid.


Para quem ainda não é familiarizado com o termo, a Síndrome Pós Covid é uma condição que foi identificada após passar a ser observada a persistência de alguns sintomas, e o surgimento de outros, em sobreviventes da Covid-19, mesmo após a resolução da infecção aguda. Também chamada de “Covid de longo prazo” , o critério mais utilizado para diagnosticá-la é a presença de sintomas que duram mais de 3 meses, contando a partir do início da sintomatologia que levou ao diagnóstico da Covid-19.


Os sintomas mais comuns dessa síndrome são a fadiga e a dificuldade de respiração. Mas não são os únicos:

  • desordens mentais e cognitivas, incluindo depressão e ansiedade;

  • dores de cabeça, no peito e nas articulações;

  • mudanças no paladar e olfato;

  • tosse crônica;

  • queda de cabelo;

  • insônia e sintomas cardíacos e gastrointestinais


figuram entre as demais características observadas nos pacientes diagnosticados com a SPC. E é importante ressaltar que não são apenas as ocorrências mais severas de Covid-19 que podem sofrer com essa “continuação” da doença: a síndrome já foi observada em sobreviventes de casos de todas as intensidades.


Podemos dizer que a ansiedade e a depressão são os dois sintomas que funcionaram como um verdadeiro “gatilho” para iniciarem-se os esforços de descrição da SPC. Quando começaram a ser relatados com frequência relevante e sem ser possível determinar uma causa para todos os casos que vinham surgindo, percebeu-se a necessidade de olhar mais a fundo o que estava acontecendo. Essas duas condições, que caracterizam perturbações à saúde mental e emocional, já possuem um respaldo bastante consistente de fitoterápicos que podem ser utilizados como complementos no seu manejo. Entre eles, podemos citar: Melissa officinalis, Passiflora alata, Matricaria chamomilla, Erythrina mulungu, Lavandula spp., Crocus sativus, Griffonia simplicifolia.


Se teve algo que exaustivamente tratamos aqui, foi a inflamação! Como essa condição é apontada tanto como um fator predisponente, quanto como uma característica da SPC, é válido atacá-la de todas as formas possíveis! Entre os ativos fitoterápicos que possuem elevado poder anti inflamatório, temos:

  • a Curcuma longa (açafrão da terra), que figura como uma das plantas com mais publicações referentes ao seu uso como parte do tratamento da Covid-19, assim como na SPC. Ao restaurar o equilíbrio entre compostos pró/anti inflamatórios, esse fitoterápico é capaz de atuar no controle da inflamação, e também no alívio de outros sintomas característicos da Síndrome como as dores articulares e a disbiose, por exemplo. Vale lembrar que a dose efetiva é aquela que oferece 200 mg de curcumina, o composto bioativo dessa planta;

  • Zengiber officinalis, ou como você provavelmente o conhece: gengibre. Assim como a cúrcuma, também tem um enorme potencial de modulação dos marcadores inflamatórios;

  • Cinnamomum cassia, a famosa canela, assim como o Panax ginseng também são possibilidades de fitoterápicos para serem usados com fins de dar um suporte extra para o controle da inflamação, primordial na remissão da SPC.


A perda da eficiência da resposta imunológica, queda da cognição e fadiga são outros fatores que podem ser manejados com o auxílio de fitoterápicos. Adaptógenos, substâncias capazes de aumentar a estabilidade do organismo exposto à estressores, exercem bem esses papéis. Cito aqui a Rhodiola Rosea, Boswellia spp., Withania somnifera e, mais uma vez, o Panax ginseng como sugestões dessa classe, que acho de extrema utilidade na prática clínica e se mostraram eficientes imunoestimuladores e moduladores na SPC.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Aiyegbusi, O. L., Hughes, S. E., Turner, G., Rivera, S. C., McMullan, C., Chandan, J. S., Haroon, S., Price, G., Davies, E. H., Nirantharakumar, K., Sapey, E., Calvert, M. J., & TLC Study Group (2021). Symptoms, complications and management of long COVID: a review. Journal of the Royal Society of Medicine, 114(9), 428–442. doi: 10.1177/01410768211032850

Shahrajabian, M. H., Sun, W., Soleymani, A., & Cheng, Q. (2020). Traditional herbal medicines to overcome stress, anxiety and improve mental health in outbreaks of human coronaviruses. Phytotherapy Research, 35(3), 1237–1247. doi:10.1002/ptr.6888

Vahedian-Azimi, A.; Abbasifard, M.; Rahimi-Bashar, F.; Guest, P.C.; Majeed, M.; Mohammadi, A.; Banach, M.; Jamialahmadi, T.; Sahebkar, A. Effectiveness of Curcumin on Outcomes of Hospitalized COVID-19 Patients: A Systematic Review of Clinical Trials. Nutrients 2022, 14, 256. https:/ /doi.org/10.3390/nu14020256

Brendler, T., Al‐Harrasi, A., Bauer, R., Gafner, S., Hardy, M. L., Heinrich, M., … Williamson, E. M. (2020). Botanical drugs and supplements affecting the immune response in the time of COVID ‐19: Implications for research and clinical practice. Phytotherapy Research, 35(6), 3013–3031. doi:10.1002/ptr.7008