Quanto de água você toma por dia? Entenda porque o seu intestino PRECISA de água!


Beba água! Essa é uma recomendação básica - e talvez aquela que mais facilmente é logo incluída - para aquelas pessoas que desejam adotar hábitos mais saudáveis.


A água é o principal componente do corpo humano e é de extrema importância para que células de diferentes órgãos consigam exercer suas funções. Indo desde a maior e mais externa estrutura do corpo - a pele -, passando pelos anexos - unhas e cabelos - até os órgãos mais vitais, como o coração e os pulmões: uma hidratação adequada é chave para a máxima eficácia, eficiência (e, inclusive, beleza, quando estamos falando de cabelos, unhas e pele).


O intestino não fica de fora da lista e seu funcionamento adequado apresenta uma íntima relação com uma boa ingestão de água. Vamos usar uma analogia, que pode parecer boba, mas é certeira: Você consegue imaginar alguém descendo em um tobogã de um parque aquático sem aqueles jatos de água que molham sua superfície para ajudar a deslizar? A ideia é a mesma quando pensamos no movimento do bolo alimentar e fecal pelas diferentes porções do intestino.


A água tanto serve como lubrificante, garantindo que o conteúdo que está no trato gastrointestinal consiga se movimentar adequadamente, como também é fundamental para a formação do bolo fecal. Sem água, as fezes ficam ressecadas, sem volume e alô constipação! Mas os efeitos da água no intestino vão além desse efeito, que já é mais reconhecido: um consumo adequado de água também é capaz de exercer benefícios na microbiota intestinal.


Um estudo conduzido a partir da análise de amostras fecais e orais de indivíduos dos Estados Unidos e do Reino Unido demonstrou que o consumo de água - tanto em termos de quantidade como de qualidade dessa água - tem um efeito de modulação da microbiota, sendo que uma maior diversidade bacteriana, que é considerada um parâmetro de saúde da microbiota, foi encontrada entre aqueles com maiores níveis de ingestão. Mas é preciso considerar que tais resultados possuem forte influência da composição físico química, mineral e microbiana da água, então ainda é necessário um maior entendimento acerca desse efeito.


Já ouviu falar que quando aumentamos a ingestão de fibras, também devemos nos atentar ao consumo de água? Bom, existe um tipo de fibra que é considerada solúvel. Devido à sua natureza estrutural, ela é capaz de absorver bastante água e esse fato ajuda a dar volume (porque a fibra incha) e uma consistência mais viscosa para as fezes. Dessa forma, o bolo fecal desliza mais facilmente e não é preciso fazer força para eliminá-lo.


Além disso, quando bebemos água ao acordar, geramos um importante estímulo para o peristaltismo intestinal. Já aconteceu com você de beber água e já começar a sentir a necessidade de ir ao banheiro? Assim que algo pesa no nosso estômago quando estamos em jejum, o intestino já fica avisado que precisa começar a funcionar. Se o copo de água for seguido por um café da manhã rico em fibras e nutrientes, tudo funciona como um reloginho!


Mas muito cuidado com a recomendação geral de 2l de água/dia. Apesar de ser um bom início, principalmente quando a ingestão é muito baixa, valores muito generalizados podem não atender às necessidades individuais. Multiplicar o seu peso por 35ml pode te dar um valor mais adequado para a sua realidade. Aos poucos, você pode ir aumentando essa quantidade até níveis equivalentes a 40 ml x seu peso.


Acho que deu para perceber que seu intestino - assim como todo o seu corpo - precisa muito de água, né? Um hábito simples e que pode fazer toda a diferença na sua saúde e bem estar.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Vanhaecke T, Bretin O, Poirel M, Tap J. Drinking Water Source and Intake Are Associated with Distinct Gut Microbiota Signatures in US and UK Populations. J Nutr. 2022 Jan 11;152(1):171-182. doi: 10.1093/jn/nxab312. PMID: 34642755; PMCID: PMC8754568.