Por que dormir mal pode alterar seu ritmo intestinal?



Um sono de qualidade é um precioso recurso para a restauração e manutenção da homeostase de todas as funções e porções do organismo, inclusive do intestino. Durante esse momento, os eixos do estresse, que são demasiadamente estimulados ao longo dia, apresentam diminuição na sua atividade e isso dá espaço para que mediadores de proliferação e diferenciação celular possam atuar, possibilitando processos de reparação importantes. Além disso, esse é um momento fundamental para o equilíbrio e função do sistema imune, que ocupa de forma importante o ambiente intestinal. Mas outro fator parece ser ainda mais importante na relação sono - intestino: a microbiota intestinal.


Os microrganismos que habitam a porção final do intestino podem exercer diferentes efeitos benéficos (ou maléficos) na saúde, a depender da sua composição. Várias rotas são possíveis para que isso aconteça: as bactérias podem influenciar diretamente a atividade intestinal, interferindo na absorção e metabolização de nutrientes e no peristaltismo, por exemplo; pode ocorrer também uma competição entre as espécies bacterianas, excluindo as patogênicas, que estão associadas ao aumento do estado inflamatório no organismo; e existe, ainda, uma via de comunicação bidirecional entre o intestino e o cérebro, que faz com que os microrganismos que vivem na porção intestinal influenciam consideravelmente todo o funcionamento do comandante central da fisiologia humana.


O sono é uma função do organismo comandada por regiões cerebrais, logo, considerando essa relação íntima entre cérebro - intestino, é possível assumir que o sono tanto pode afetar quanto ser afetado pelo estado em que se encontra o ambiente intestinal. Ainda não é consenso, mas algumas evidências já apontam para o fato de que a privação do sono pode levar à alterações na composição da microbiota, alterando, consequentemente, todo o funcionamento intestinal.


A diversidade da microbiota parece ser um fator importante associado com a qualidade e eficiência do tempo que se passa dormindo. Além disso, a fragmentação do sono pode influenciar os níveis de espécies bacterianas associadas à estado de saúde ou doença, como Sutterella e Brevibacterium (aparentemente protetoras) e Lachnospiraceae (positivamente associada com os episódios de acordar durante a noite e com a gravidade de algumas doenças específicas associadas ao sono). De qualquer forma, uma microbiota mais abundante e diversa é um ponto crítico para a manutenção do ritmo intestinal adequado, visto que esses microrganismos, como já citado, podem afetar diretamente a atividade e movimentação peristáltica desse órgão, fator decisivo na regularidade do trânsito intestinal, ou seja, nas idas ao banheiro!


Dessa forma, se você quer cuidar do seu intestino, deve manter um cuidado atento ao seu sono (e vice-versa) e se lembrar que dormir bem começa antes mesmo de se deitar na cama. Tomar um banho quente, preferir preparações mais quentinhas na última refeição do dia, tomar um chá relaxante, evitar eletrônicos, excesso de luz artificial e conteúdos muito estimulantes durante o período noturno podem ser boas estratégias para garantir uma preparação que vai, possivelmente, resultar em noites de sono mais eficientes, contínuas e adequadas (e, consequentemente, em um ambiente intestinal mais propício para uma boa composição de bactérias).


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

Smith, R. P., Easson, C., Lyle, S. M., Kapoor, R., Donnelly, C. P., Davidson, E. J., Parikh, E., Lopez, J. V., & Tartar, J. L. (2019). Gut microbiome diversity is associated with sleep physiology in humans. PloS one, 14(10), e0222394. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0222394