Acetil L-carnitina pode proteger o seu cérebro!


A Acetil-L-carnitina é um metabólito da carnitina, encontrado na maioria dos tecidos, funcionando principalmente como transportador de ácidos graxos de cadeia longa (acetil-CoAs) para o processo de beta oxidação nas mitocôndrias. A carnitina pode ser obtida através da dieta e sintetizada pelo fígado, rim e cérebro, contudo, em condições especiais ela vira um nutriente essencial.


Atualmente foi observado um interesse crescente no potencial terapêutico da acetil-L-carnitina (ALC), sendo usada como suplementação nutracêutica para a saúde neuronal, altamente tolerada e sem efeitos adversos à saúde. Os efeitos da ALC na neuroproteção levam os pesquisadores a investigarem seus efeitos em condições neuropatológicas, como Doença de Alzheimer, depressão, fadiga, encefalopatia hepática e declínio mental associado a idade.


Sendo assim, esse composto é importante para proteger o cérebro, melhorar a memória e proteger contra determinadas doenças neurológicas. Vamos entender um pouco desses mecanismos.


Acetil-L-carnitina e neuroproteção


A acetil-L-carnitina está envolvida na expressão de diversos genes, sendo alguns relacionados ao controle do desenvolvimento de radicais livres. Essa capacidade antioxidante e de reparo celular pode ser um dos principais meios de proteção neuronal, principalmente ao decorrer da idade, em que é observado um aumento do estresse oxidativo.


Além do estresse oxidativo, o declínio de energia mitocondrial está diretamente envolvido em distúrbios neurotóxicos e neurodegenerativos. No envelhecimento, há um comprometimento negativo nos substratos energéticos e enzimáticos associados à produção de energia. Esse déficit tem implicações importantes no tecido cerebral.


Nesse caso, a ALC, regula positivamente o citocromo b oxidase, aumentando o estado de energia celular e estabilizando a atividade mitocondrial. Esse composto também protege a integridade da membrana contra a peroxidação lipídica.


Sendo assim, a ALC possui efeito na função mitocondrial e consequentemente na neuroproteção através:

  • Impedimento da produção de radicais livres e indução da eliminação dos mesmos.

  • Aumentando a defesa antioxidante mitocondrial

  • Protegendo as enzimas mitocondriais e consequentemente suas atividades enzimáticas.


A ação da ALC vai além da melhora no fornecimento de energia, mas também atua diretamente, como fornecendo grupos acil já ativados para a síntese de acetilcolina, substância que atua como neurotransmissor.


A função de doador de acetato desempenhada pela acetil-L-carnitina influência na síntese de ácidos graxos, sendo importante para o contexto do metabolismo lipídico neuronal. Dessa forma, o transporte do grupo acil pela ALC impacta nos lipídios formados e na composição dos fosfolipídeos.


Além da ação na função sináptica, a acetil-l-carnitina é capaz de aumentar a atividade colinérgica, a acetilação de proteínas e melhorar o transporte axonal anterógrado, associado à patogênese de Alzheimer.


A ação na atividade colinérgica ocorre pois a ALC fornece grupos acetil para a síntese de acetilcolina, otimizando o equilíbrio dos processos energéticos. Esse aumento na síntese de acetilcolina modula a transmissão sináptica.


Portanto, de maneira resumida, acetil-L-carnitina é um tipo de estimulante que aumenta o foco e concentração, a produção de energia, combate a fadiga física e mental, interfere em transtornos cognitivos e protege o cérebro contra os efeitos do envelhecimento. Os estudos mostram que doses de 3 gramas diárias são suficientes para atingir o efeito neuroprotetor da acetil-L-carnitina, podendo ser prescrita sem receita médica, como suplemento nutricional.


Referências


Ferreira, Gustavo C., e Mary C. McKenna. “L-Carnitine and acetyl-L-carnitine roles and neuroprotection in developing brain”. Neurochemical research, vol. 42, no 6, junho de 2017, p. 1661–75. PubMed Central, https://doi.org/10.1007/s11064-017-2288-7.


The neurobiology of acetyl-L-carnitine. 1o de junho de 2016, https://doi.org/10.2741/4459