Quais compostos bioativos podem ajudar no manejo da candidíase?



Os compostos bioativos se tratam de componentes que desempenham atividade multifuncional sobre a estrutura dos organismos vivos, sendo elas tecidos, células ou microrganismos. Além disso, eles atuam de forma muito significativa contra o desenvolvimento de infecções fúngicas devido ao seu grande potencial antifúngico e antimicrobiano, sendo capaz de reduzir a proliferação desses microrganismos e alterar a estrutura deles.


Dentre os diversos compostos bioativos existentes, alguns deles já vem demonstrando boa atuação contra a evolução da candidíase e como exemplo estão incluídos:


  • Alicina: é um componente presente no alho e contém importante atividade antibacteriana e antifúngica, além de inibir o crescimento da bactéria E. coli que comumente auxilia a formação dos complexos de biofilme junto aos fungos.

  • Cúrcumina: ela possui uma atividade biológica muito ampla, através das suas propriedades antifúngicas, antioxidantes, antitumorais, anti-inflamatórias, anti-proliferativas e antimicrobianas. Estudos apontam que a atividade antifúngica da cúrcumina abrange espécies de Candida, Cryptococcus neoformans, Aspergillus spp. e Sporothrix schenckii.

  • Epigalocatequina galato (EGCG): esse componente faz parte do grupo das catequinas e apresenta boa ação antioxidante e antifúngica, promovendo alteração no metabolismo da candida albicans e com isso impedindo seu desenvolvimento.

  • Quercetina: ela é um potente composto bioativo da classe dos flavonóides e desempenha atividade antioxidante, anti-inflamatória, antiviral e antifúngica principalmente sobre os fungos candida albicans, além de atuar também sobre os complexos de biofilmes.


O tratamento da candidíase pode ser muito demorado devido a capacidade que os fungos da candida possuem em mudar de conformação e de produzir biofilmes (estrutura semelhante a uma casa, compostas por fungos e bactérias) para se proteger do sistema imunológico. Esses biofilmes quando são quebrados liberam diversas substâncias tóxicas no ambiente, devido a isso, os compostos bioativos com atividade antioxidante podem ser ótimos aliados contra a ação dessas substâncias, dos quais estão incluídos: EGCG, cúrcumina, kaempferol, zeaxantina e Astaxantina.


Além disso, o fígado pode sofrer um processo de toxicação durante o tratamento da candidíase, e alguns compostos bioativos como a silimaria e a quercetina podem auxiliar na melhora das funções hepáticas. Além disso, as mitocôndrias dos hepatócitos que são estruturas essenciais para o bom funcionamento dessas células, podem ter sua ação otimizada através dos compostos: Epigalocatequina, resveratrol e ácido málico.