Suplementação de probióticos no esporte: isso faz algum sentido?

Probióticos podem ser definidos como microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, são capazes de conferir benefícios à saúde do hospedeiro. Essas bactérias podem ser um suporte para os residentes da microbiota, especialmente quando existe algum tipo de desequilíbrio ou algo que prejudica os microrganismos benéficos.



Quando existe algum tipo de desequilíbrio na microbiota, tudo isso será afetado. Além disso, sabe-se que microbiota intestinal está conectada com todo corpo e cérebro.

As consequências de um desequilíbrio da microbiota são diversas, e pode-se perceber impactos até mesmo na performance esportiva.

A suplementação com probióticos existe como uma maneira de tentar manter a microbiota sempre saudável, para que assim a regulação e adaptação ao exercício e a performance em si, não sejam afetadas.

Os probióticos são benéficos a saúde e melhoram a performance esportiva de diversas maneiras, como: Ajudando o sistema imunológico a funcionar corretamente; ajudando a digestão, quebrando alguns dos alimentos que não podemos digerir; mantendo os microrganismos patogênicos sob controle; produzindo vitaminas e ajudando na absorção de nutrientes.

Na nutrição esportiva, os probióticos estão cada vez mais presentes na dieta dos atletas, já que esses indivíduos têm mais chances de sofrer alterações na microbiota intestinal, por conta dos exercícios e esforços longos e do alto gasto e consumo energético e queda do sistema imune em treinos muito intensos.

A suplementação com probióticos resulta em melhor reposição e produção de energia para os treinos e provas, e também evitam a fadiga. Isso consequentemente otimiza a recuperação do atleta também.